Rochas

A rocha é um agregado de minerais, que variam na cor, tamanho dos seus cristais e nos tipos de minerais que as compõem e podem ser formadas de 3 modos:

1 – Rochas Magmáticas ou Ígneas:

Se formam pelo resfriamento e consequente solidificação do magma, que é uma massa de rocha fundida, existente abaixo da crosta terrestre. Dependendo da composição do magma e a velocidade de resfriamento obtém-se diferentes tipos de rochas

– Rochas Ígneas Intrusivas: formam-se quando o magma solidifica-se em grande profundidade, devido ao lento resfriamento, os cristais ficam grandes por terem tido tempo para se desenvolver, o granito é um exemplo de rocha intrusiva.

– Rochas Ígneas Extrusivas: formam-se pelo rápido resfriamento do magma que chega na superfície pelas erupções vulcânicas. Por causa deste rápido resfriamento do magma, seus cristais são pequenos, sendo o basalto um dos exemplos de rochas extrusivas.

2 – Rochas Sedimentares

São formadas por sedimentos que se formam por decomposição química e/ou física de rochas pré-existentes. Este material é transportado pela água, vento ou geleira e depositados, em outro local. À medida que as camadas se acumulam o material anteriormente depositado é compactado. Mudanças físicas e químicas como pressão, calor e reações químicas transformam esses sedimentos em rochas como, por exemplo, o arenito.

O calcário é uma rocha sedimentar de origem bioquímica, ou seja, pela deposição de restos de organismos e ou sedimentos ricos em carbonatos.

3 – Rochas Metamórficas

Formam-se quando altas temperaturas e/ou pressões atuam sobre rochas pré-existentes (ígneas, sedimentares ou metamórficas) alterando sua composição mineral, textura, composição química, ou estes três parâmetros juntos.

Todas as rochas se alteram, mas a maneira e a taxa em que isso ocorre é variável e são quatro os fatores que controlam a desintegração e decomposição das rochas:

1 – Propriedades da Rocha-Matriz

Os minerais que compõem a rocha alteram-se em taxas diferentes, por exemplo, o quartzo leva mais tempo para se desagregar do que a calcita, por isso rochas como o granito levam mais tempo para se decompor do que o calcário.

A estrutura da rocha também influência sua suscetibilidade de fragmentar-se. O granito, maciço, não tem planos de fraqueza, podendo permanecer sem grandes alterações por séculos; enquanto o folhelho, que é uma rocha sedimentar, apresenta planos de acamamento e pode romper-se facilmente ao longo destes planos.

2 – Clima

Chuvas intensas e a alta temperatura aceleram a degradação da rocha, em climas frios a água não pode dissolver os minerais porque está congelada, no entanto pode acentuar o intemperismo mecânico, por exemplo, a água congelada pode atuar como uma cunha abrindo fissuras na rocha.

3 -Presença ou ausência de solo

Uma vez iniciada a formação do solo, ele funciona como um agente geológico que acelera a alteração da rocha. O solo retém a água da chuva e diversos vegetais, bactérias e outros organismos. Estas formas de vida juntamente com a umidade alteram e dissolvem os minerais que compõem a rocha. Raízes e cavidades feitas pelos organismos aceleram a sua degradação física, criando fraturas na rocha e consequentemente, fragmentando-a em pequenos pedaços. Estes 2 processos, químico e mecânico, atuando na rocha leva a formação de mais solo.

4 – Tempo de exposição

Quanto maior o tempo de exposição da rocha à atmosfera maior e sua decomposição física e química, criando uma camada de solo, que pode variar de alguns milímetros até alguns metros sobre a rocha sã.